Perguntas e respostas rápidas- Intolerância a sons: Misofonia, hiperacusia, fonofobia e recrutamento

Neste post, vou explicar sobre a intolerância a sons altos e a ruídos específicos, condição cada vez mais comum,  mas que só foi  bem estudada e difundida recentemente, por isso atualmente já conta com testes específicos para o diagnóstico e tratamento bem estabelecido. Este é um texto objetivo, mas se você quiser um texto mais detalhado, clique aqui.

  1.  0 que é intolerância a sons?

    É a tolerância reduzida aos sons de intensidade fraca ou moderada, com sensação de o som estar em volume mais alto do que realmente está,  e pode provocar desconforto persistente à exposição a sons, irritação e até dor, além de poder incapacitar o paciente para o trabalho e vida social.

  2. Como é feito o diagnóstico?

    É feito através da queixa do paciente e da audiometria complementada por um teste chamado LDL (loudness discomfort level – nível de desconforto de volume), sendo o normal acima de 90-100db. Também é feita a pesquisa do reflexo estapediano, que é patológico e chamado de recrutamento quando disparado em sons baixos  (menos que 60bd acima do limiar auditivo).

  3. Quais sãos os tipos de intolerância a sons?

    1-Recrutamento: há perda auditiva e doenças cocleares com presença de recrutamento. A sensação de intensidade progressivamente crescente é muito rápida  e provoca desconforto. Imagine que você está aumentando o volume da TV,​ em um primeiro momento o som está muito baixo e você não consegue escutar, ​então você aumenta apenas um nível do volume, o que te faz escutar bem, mas te causa desconforto, irritação e sensação ​de que o volume aumentou demais.
    2-Hiperacusia: intolerância a sons de intensidade moderada ou fraca. É diagnosticada através de audição normal, mas LDL diminuído. 
    3- Misofonia: o paciente não gosta de se expor a sons específicos. A audição e o LDL estão normais. A reação a sons específicos depende do contexto das reações emocionais,  e não das características acústicas, ex volume,  do som. Além das reações emocionais, o paciente pode apresentar sintomas físicos, como taquicardia, sudorese e sensação de desmaio.
    4- Fonofobia: é um tipo de misofonia, definida como medo de se expor a sons. O gatilho é unicamente psicológico.

  4. Quais são as causas de intolerância aos sons?

    O recrutamento pode acontecer em qualquer tipo de perda auditiva de causa coclear (ex devido a idade, devido a exposição a ruídos altos, devido a medicamentos, familiar e outras). 
    A hiperacusia pode ter várias causas, tanto do próprio sistema auditivo (ex otoesclerose, doença de menière, fístula perilinfática, surdez súbita, trauma acústico,perda auditiva induzida por exposição a sons intensos), alterações do sistema nervoso central (ex enxaqueca, estresse pós-traumático, dependência de benzodiazepínicos, esclerose múltipla, depressão, epilepsia, traumatismo craniano), doenças hormonais (ex insuficiência da glândula suprarrenal, hipertireoidismo, neurossífilis) e infecciosas ou origem genética. 
    Já a misofonia e fonofobia são de causa psicológica,  por ativação inadequada do sistema límbico, relacionado a emoção, e nervoso autônomo, relacionados a reações físicas.

  5. Qual é o tratamento de intolerância a sons?

    O tratamento da doença de base é o primeiro a se tomar, porém, em muitos casos a etiologia é indefinida ou irreversível. Nesses casos, as terapias sonoras com base no enriquecimento sonoro são as mais recomendadas. Tem como objetivo dessensibilizar as vias auditivas centrais e é realizado com sons ambientais e/ou com geradores de com de banda larga adaptados nas duas orelhas.  O paciente é desencorajado a ficar no silêncio ou a usar protetores auditivos.  
    O enriquecimento sonoro é sempre associado a sessões de aconselhamento ou orientação, que têm por objetivo desmistificar os sintomas auditivos, explicar o funcionamento da via auditiva, o processamento da informação auditiva no cérebro e as estratégias terapêuticas. 
     Já a misofonia e fonofobia precisam de acompanhamento psicológico e psiquiátrico mais intensos e precoces.

Dra Kênia Assis Chaves

Médica Otorrinolaringologista

CRMMG 52018

RQE 33072

Quer agendar uma consulta? Acesse nossa página de agendamento

Um comentário em “Perguntas e respostas rápidas- Intolerância a sons: Misofonia, hiperacusia, fonofobia e recrutamento

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: