Perguntas e respostas sobre Síndrome do desequilíbrio do idoso

A queixa de tontura é mais comum nos idosos do que nas demais idades, e por isso hoje vou falar sobre síndrome do desequilíbrio do idoso, principalmente as causas, as consequências, o diagnóstico e o tratamento. Este é um texto objetivo, mas se desejar uma leitura aprofundada, pode clicar aqui e ir para o post completo.

  1. Quais são as principais alterações do envelhecimento que influenciam o equilíbrio?

    Reflexos do equilíbrio lentificados, principalmente a oculomotricidade (movimento ocular);
    Degeneração cerebelar, que provoca movimentos descoordenados; 
    Comorbidades ortopédica, que  dificultam o reflexo vestibuloespinhal (o qual mantém a postura do indivíduo);
    Medicamentos que provocam tontura como efeito colateral, principalmente os que causam sonolência e sedação;
    Acuidade visual prejudicada , principalmente por catarata e degeneração retiniana, que dificulta o reflexo vestíbulo ocular, que estabiliza a visão durante os movimentos
    Outras comorbidades, mais comuns nos idosos, que podem afetar o ouvido interno, como alterações de colesterol, hipertensão arterial, diabetes, alterações tireoidiana, hipotensão ortostática (queda da pressão quando se levanta ou senta), transtornos vasculares e doenças neurológicas.
    Sarcopenia, ou perda de tecido muscular, e sua substituição por gordura, que contribui para perda de força e lentidão dos movimentos.

  2. Quais são os principais sintomas da síndrome do desequilíbrio do idoso?

    A SDI manifesta-se por tontura crônica e persistente,principalmente nos movimentos rápidos, caracterizada por desequilíbrio na marcha, inabilidade de coordenar os movimentos e a postura, além de oscilopsia (sensação de que os objetos estão oscilando na visão). 
    O envelhecimento ocorre em todas as pessoas e é esperado, mas quando produz sintomas que limitam as atividades diárias e autonomia do paciente é considerado o diagnóstico de SDI.

  3. Qual é o impacto dessa síndrome do desequilíbrio do idoso (SDI)?

    Por causa dos sintomas, o paciente fica mais dependente do cuidador, vai perdendo cada vez mais a autonomia, com risco grande de queda e todas as doenças decorrentes dela, além de ficar muito restrito ao leito, o que pode levar a síndrome de imobilidade do idoso. 

  4. Como é o diagnóstico da síndrome do desequilíbrio do idoso?

    O diagnóstico, para muitos autores, é feito por exclusão.A audiometria em geral mostra perda auditiva própria da idade. Os exames vestibulares mostram hiporreflexia vestibular, principalmente nas provas de alta velocidade, e microescritura. Além disso, excluiu outra doença vestibular. 

  5. Qual é o tratamento da síndrome do desequilíbrio do idoso?

    O primeiro passo na abordagem do idoso é a resolução das comorbidades associadas. Devem ser rastreados os problemas metabólicos, visuais, auditivos, cardiológicos e articulares e corrigi-los.
    Os idosos devem ser orientados a praticar exercícios físicos e estarem atentos a seus cuidados pessoais e ambientais. Para tanto, recomenda-se evitar álcool, calçar sapatos baixos e confortáveis para caminhadas, utilizar o corrimão, não encerar pisos e assoalhos, evitar tapetes, instalar luzes em corredores, evitar pequenos degraus, colocar barras de segurança no banheiro, entre outros. 
    A melhor opção terapêutica é a reabilitação vestibular. São exercícios que estimulam os reflexos vestibulares e sua integração com sistema visual e proprioceptivo, visando a compensação do equilíbrio corporal.

Dra Kênia Assis Chaves

Médica Otorrinolaringologista

CRMMG 52018

RQE 33072

Quer agendar uma consulta? Acesse nossa página de agendamento

Um comentário em “Perguntas e respostas sobre Síndrome do desequilíbrio do idoso

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: